Pe. Laurindo: “São muitas realidades que Jesus nos convoca a ir e a servir aos nossos irmãos”.

papadestacada1
O Papa: vivamos as tarefas de cada dia em espírito de serviço
maio 15, 2022
domingofestivocomsrnazare2022
Domingo festivo promovido pela Com. Nossa Senhora de Nazaré
maio 17, 2022

Pe. Laurindo: “São muitas realidades que Jesus nos convoca a ir e a servir aos nossos irmãos”.

quintodomingodapascoadestacada2022

Às 19h de 15 de maio de 2022,  na Matriz Sagrada Família, aconteceu a Santa Missa do Quinto Domingo da Páscoa. A animação ficou sob a responsabilidade do Ministério de Música Sagrada Família. Pe. Laurindo Aguiar, msf presidiu a celebração. A Equipe de Animação Missionária participou da procissão de entrada.  O presbítero acolheu a todos os presentes na assembleia e a todos que acompanharam a transmissão pelo canal do Youtube Paróquia Sagrada Família de Januária.

Após a proclamação do evangelho, Pe. Laurindo assim refletiu:

“Hoje, celebramos mais um passo bonito, neste tempo de vida nova, da alegria do ressuscitado. Quinto Domingo da Páscoa, dentro dessa espiritualidade mariana. O testemunho de Maria que nos convida a viver, a obedecer, a escutar a voz de Nosso Senhor Jesus Cristo. O evangelho que escutamos neste dia está situado no contexto do lava-pés, da ceia, e nos fala depois que Judas saiu do cenáculo. Falar, lembrar, trazer essa imagem de Jesus reunido com os seus discípulos. Jesus dando as últimas orientações, não só com palavras. Jesus fazendo o grande gesto que deve ser a regra de vida de todos nós que é o lava-pés. No lava-pés, Jesus para com as palavras, para que as ações ultrapassem as palavras. Mas dizer da pessoa de Jesus, não podemos separar as palavras das ações. As ações de Jesus testemunham suas palavras. As palavras se expressam no seu agir, na acolhida com as pessoas.”

Jesus vai dizer: ‘Olha, não deveis amar como vocês estão amando.’ Não estarão unidos. Não terão um ponto de unidade que os faça de fato produzir frutos, se cada um for olhar a sua realidade pessoal. Aí Jesus coloca: ‘Deveis amar uns aos outros assim como eu vos amei.’ Esta é a grande regra para nós. O cristão não é chamado a amar como ele pensa. É traduzir, falar, não a sua verdade, mas aquela verdade forjada no amor de Cristo, na Palavra de Deus. Na verdade de Deus. Na justiça que vem de Deus. Com isso, tudo muda. Nosso parâmetro de avaliação não é o nosso agir. Nosso parâmetro de avaliação  da vida em comunidade, da vida em sociedade, do agir do outro, não deve ser a minha opinião, mas deve ser a vontade, o projeto de Deus. Amai-vos uns aos outros. Se amardes uns aos outros, nós seremos reconhecidos como discípulos de Jesus. Seremos reconhecidos como discípulos de Jesus pois temos a mesma vida, o mesmo comportamento, a mesma forma de caminhar, de falar, de amar, de acolher de Jesus. Nós seremos reconhecidos quando chegarmos à fase de imitar a Cristo. O que nos fala São Paulo: ‘Sede imitadores de Cristo.’ “

Talvez na nossa Igreja, seja o grande desafio que Jesus coloca para nós, de irmos em missão, de irmos ao encontro, de prestar um serviço, de levar a Palavra, ser um sinal de esperança, a presença de Deus, de reerguimento, de encorajamento, para aqueles que perderam a motivação, perderam o sentido de viver, perderam o sentido de servir. Esta missão não é só do padre, é missão de todos nós. Não é só missão de quem está à frente, coordenando, mas é missão de todo cristão. Isso é sinal de amor. Jesus foi aquele que foi aos povos pagãos. Jesus foi aquele que foi capaz de acolher as crianças que nada poderiam lhe retribuir. O agir de Jesus é sempre na gratuidade. Jesus que acolheu o órfão. Jesus que acolheu a viúva. Jesus que acolheu o estrangeiro, pessoas não bem aceitas, recusadas, às vezes discriminadas. Então para nós hoje, são muitos espaços, são muitas realidades que Jesus nos convoca a ir e a servir aos nossos irmãos. Pessoas que estão isoladas, e se alguém não for lá fazer o convite, ir ao encontro, talvez nunca mais vai sair do isolamento. Às vezes, nós só sairemos daquela realidade em que nos encontramos com um remédio. Talvez o que alguém está precisando, o grande remédio é o afeto, é a presença, é ver gente. Saber que se sentir amado, se sentir aceito, se sentir acolhido, é um desafio para nós; Jesus nos coloca.”

 

O casal de namorados Caio Emanuel e Tátila Lopes ficaram noivos com a bênção de Padre Laurindo. Caio ainda relatou o motivo pelo qual está ausente das atividades da paróquia.

A Equipe de Animação Missionária (EAM) preparou um belo momento de coroação e homenagem a Nossa Senhora.

Com a bênção final, Padre Laurindo concluiu a Santa Missa.

 

Clique aqui para ver a cobertura fotográfica completa.

 

Texto: Alisson Faria / PasCom Sagrada Família

Fotos: Yale Figueiredo / PasCom Sagrada Família